Allink Neutral Provider
en
CCT Aéreo: tudo sobre o módulo de Controle de Carga e Trânsito - Allink Neutral Provider
Você já ouviu falar do CCT Aéreo? Em um mundo globalizado, onde as trocas comerciais entre países são frequentes e volumosas, a eficiência na transmissão e gestão de dados de cargas aéreas torna-se fundamental.

Nos bastidores das importações que chegam ao Brasil, uma revolução digital está ocorrendo: a introdução do CCT Aéreo pela alfândega da Receita Federal Brasileira. Mas por que essa mudança é tão crucial?


Antes dessa implementação, o antigo sistema causava atrasos e confusões na transmissão de dados. Dados incorretos ou ausentes poderiam desencadear processos longos e burocráticos, atrasando entregas e aumentando custos. Imagine perder semanas de trabalho por um simples erro de digitação ou um atraso na entrega de documentos.


O CCT Aéreo promete simplificar esse processo, mas como? E quais são as implicações reais para aqueles que trabalham na indústria de importação aérea? Neste artigo, vamos mergulhar profundamente nesse sistema, explicando suas funcionalidades, benefícios e abordando algumas das dúvidas mais comuns sobre essa inovação.


[Conte com o primeiro consolidador neutro de carga aérea no Brasil para suas cargas]

O que é o CCT Aéreo?

O CCT Aéreo é o sistema estabelecido pela alfândega da Receita Federal Brasileira destinado à transmissão de dados relacionados à importação aérea. Anteriormente, os dados de desconsolidação na importação aérea eram feitos em outro sistema, mas agora são centralizados no CCT Aéreo, que integra o Portal Único.


Para esclarecer, no contexto marítimo, o termo utilizado é BL, enquanto no setor aéreo, refere-se a ele como "House Air Waybill". Todas as cargas que chegam ao Brasil por via aérea requerem que seus dados de importação sejam transmitidos por meio deste sistema.


Um aspecto importante desta mudança é a transferência de responsabilidade: antes era dos representantes das companhias aéreas e dos transportadores, agora, a responsabilidade recai sobre os agentes de carga, que são os que efetivamente realizam o serviço de transporte aéreo das mercadorias.


Resumidamente, o CCT Aéreo é uma plataforma digital onde os agentes de carga transmitem informações da carga aérea para a Receita Federal.


Quais são as finalidades do CCT?

O CCT tem como principal finalidade facilitar a transmissão e desconsolidação de dados de cargas aéreas que chegam ao Brasil.


Antes, essa transmissão ocorria de forma diferente: o agente de carga transmitia os documentos para a companhia aérea, que por sua vez, tinha a responsabilidade de informar à Receita Federal sobre as mercadorias que estavam chegando em determinado voo.


Isso envolvia tanto o Master Air Waybill quanto os House Air Waybill ("houses" ou "filhotes").


A principal razão para essa transmissão era informar à Receita que, de fato, havia uma mercadoria chegando ao país. A partir da data de chegada, começavam a ser contabilizados prazos relacionados a impostos e outros trâmites.


Com a implementação do CCT, o processo tornou-se menos burocrático e mais direto. Agora, é o próprio agente de carga que tem a capacidade de transmitir os "houses" diretamente para o sistema, enquanto a companhia aérea vincula o "master" a estes.


Isso possibilita, por exemplo, que a transmissão do "house" seja feita mesmo que o "master" ainda não esteja no sistema da Receita, podendo ser vinculado posteriormente.


Essa mudança desburocratizou a resolução de problemas. Anteriormente, um erro de transmissão poderia resultar em processos que duravam semanas. Agora, a Receita Federal permite correções no prazo de 48 horas, tornando mais fácil resolver discrepâncias como erros de peso ou informações que não condizem com a realidade.


Outro ponto importante a ser destacado é que, embora haja uma multa estimada de cinco mil reais para quem não realizar a informação prévia do "house", atualmente, essa multa não está sendo cobrada. Isso porque o sistema ainda está em fase de implementação, com a Receita Federal dando um período de cerca de seis meses (a partir do início em 2 de agosto) como uma espécie de "período de carência".


Benefícios do CCT Aéreo

O CCT Aéreo foi criado com o objetivo de modernizar e desburocratizar processos de importação no Brasil. Ao analisar seus benefícios, é importante considerar tanto a perspectiva do cliente que recebe a mercadoria quanto a do agente de cargas, que é o principal mediador nesse processo. Dentre os principais benefícios, podemos destacar:


- Segurança na Transmissão dos Dados: O sistema assegura que as informações transmitidas sejam protegidas e precisas, evitando erros que poderiam resultar em prejuízos ou atrasos.

- Transparência: Tanto os agentes de carga quanto os clientes podem acompanhar a transmissão dos dados, o que garante uma maior clareza e entendimento sobre o andamento do processo.

- Agilidade no Processo: Antes, a transmissão de informações era mais demorada e dependente de trâmites documentais. Com o CCT Aéreo, essa transmissão tornou-se mais rápida, permitindo que os agentes de carga e os clientes antecipem ações necessárias para a chegada da mercadoria.

[Conte com o primeiro consolidador neutro de carga aérea no Brasil para suas cargas]


Dúvidas comuns sobre o CCT Aéreo

1. O Sistema Mantra deixou de existir?

Sim. O CCT Aéreo é um novo sistema que substituiu o anterior, conhecido como Mantra, que foi descontinuado no dia 2 de agosto.

2. O CCT Aéreo é apenas para importação?

Sim, o CCT Aéreo foi desenvolvido especificamente para importação. Até o momento, não há previsão de ser estendido para exportações.

3. O que é o Portal Único?

O portal único é uma plataforma que serve para diversas funções relacionadas ao comércio exterior. Ele tem capacidade para acomodar todas as transações, mas o CCT foi especificamente criado com regras da Receita Federal para importações.

4. Como o CCT Aéreo se compara com a desconsolidação na Marinha Mercante?

Ambos são sistemas similares onde as informações são inseridas em uma cadeia. No marítimo, o armador insere suas informações, enquanto no aéreo, o agente de carga é o principal responsável, embora a companhia aérea também possa inserir informações.

5. Quem é responsável por inserir informações no CCT Aéreo?

Os agentes de carga são agora obrigados a inserir os houses, também conhecidos como filhotes. Isso significa que eles podem colocar o house a qualquer momento, mesmo antes da companhia aérea mencionar o master.

6. Quais são os prazos para inserir informações no sistema?

Depende da distância do voo. Para voos de longa distância, as informações devem ser inseridas até quatro horas antes da chegada ao Brasil. Para voos intra-latam, até 15 minutos após a partida.

7. Existe uma multa por não cumprir os prazos?

Sim, a multa é de cinco mil reais. No entanto, houve um período inicial de cerca de 180 dias em que a multa não foi cobrada.

8. O que é e-AWB?

O e-AWB refere-se à digitalização dos documentos de embarque, tornando o processo mais eficiente e menos dependente de papel.

9. Houve problemas na implementação do CCT Aéreo?

Nos primeiros dez dias após a implementação, houve vários desafios, especialmente em lugares com alto fluxo, como o aeroporto de Guarulhos. No entanto, muitos desses problemas foram resolvidos rapidamente.

10. Existe um custo associado ao CCT Aéreo?

Sim, os agentes de carga têm custos associados à transmissão de informações através do sistema. Inicialmente, houve alguma confusão sobre a precificação, mas as taxas foram ajustadas com base nas práticas do mercado.

11. Como acessar o CCT Importação?

O acesso ao CCT Importação pode ser realizado com facilidade através do Portal Único.


Conclusão

Em resumo, a implementação do CCT Aéreo marca uma transformação significativa na maneira como as cargas aéreas são gerenciadas no Brasil. A eficiência, transparência e segurança proporcionadas pelo sistema são cruciais para um mercado tão dinâmico e globalizado como o da importação aérea.


E, enquanto buscamos compreender e nos adaptar a essas mudanças, é vital contar com parceiros confiáveis que garantam a máxima eficácia em todos os processos.

Portanto, se você procura transporte aéreo com eficiência e neutralidade para suas cargas, convidamos você a fazer uma cotação com a Allink, o primeiro consolidador neutro de carga aérea no Brasil.

Next
post

Be the first one to know about the latest news.